7 de dezembro

NFC-e: tire as suas dúvidas agora mesmo!

Criada para substituir o velho cupom fiscal, a Nota Fiscal ao Consumidor Eletrônica (NFC-e) já é uma realidade em muitos estados brasileiros. O documento é, como o próprio nome diz, dado ao consumidor final pelo lojista no momento do fechamento da venda. Uma das suas principais vantagens, é que ele automatiza o envio de informações de transações comerciais direto para a Secretaria de Fazenda (SEFAZ) dos Estados e permite a consulta posterior aos seus próprios dados. Tudo isso de forma totalmente segura, já que o documento conta com uma assinatura digital que garante sua validade jurídica. No entanto, por ser um processo relativamente recente, muitos varejistas ainda tem uma série de dúvidas sobre a NFC-e. Nesse artigo, vamos esclarecê-las. Confira!

A emissão da NFC-e é obrigatória?

A obrigatoriedade da emissão da NFC-e é controlada pelas Secretarias de Fazenda de cada Estado e, portanto, varia de acordo com a unidade da federação em que sua empresa está instalada. Na Paraíba, por exemplo, a adesão voluntária ao documento já é permitida desde outubro do ano passado e existe um cronograma que se estende até meados de 2017 para a regularização dos comerciantes. Portanto, é preciso entrar em contato com a SEFAZ do seu Estado para receber as informações específicas da sua região.

É necessário ter um certificado digital?

Uma das garantias para que a NFC-e tenha validade legal é a assinatura eletrônica – o que significa que é necessário ter um certificado digital para emitir o documento. É esse mesmo certificado digital que permitirá ao consumidor acessar, sem burocracia excessiva, serviços como a troca de um equipamento defeituoso durante a garantia do produto comprado. Além disso, é possível utilizar o mesmo certificado digital em vários pontos de vendas, diminuindo os custos para o empresário. Atualmente, os modelos de certificados digitais aceitos para a emissão da NFC-e são o A1 e A3.

É necessário ter uma impressora fiscal?

Até pouco tempo, quem emitia um cupom fiscal precisava investir na compra de uma Impressora Térmica Fiscal – um equipamento com valor superior a R$ 2 mil que precisa ser homologado pela Receita Federal. A NFC-e, por sua vez, dispensa a compra de qualquer tipo de hardware específico e a impressão do documento pode ser feita com as impressoras comuns, inclusive aquelas que usam jato de tinta (mais baratas e abundantes no Brasil). No entanto, caso seja vontade do cliente, a NFC-e não precisa ser impressa. Ela pode ser enviada para o e-mail do consumidor ou este pode capitar o QR Code (um emblema parecido com um código de barras) diretamente do seu smartphone. Além disso, as NFC-e estarão disponíveis online no site da SEFAZ de cada Estado tanto para a consulta dos compradores quanto dos lojistas.

O NFC-e acarretará um aumento da carga tributária?

A princípio, a implementação do NFC-e não implica em nenhuma mudança na carga tributária para lojistas. O principal objetivo desse projeto é aumentar a capacidade de fiscalização do governo, diminuindo a sonegação e não pelo aumento de impostos. Mas vale lembrar que a NFC-e tem uma particularidade: ela exige que, em compras acima de R$ 10 mil, é obrigatória a identificação do comprador.
Sua loja já está adotando o NFC-e? Compartilhe conosco sua experiência e dúvidas!
Se você quiser receber mais dicas de gestão para o seu negócio, curta a nossa página no Facebook!

Deixe seu comentário